Permita-se

Emilly sempre ouviu de seus pais que deveria casar-se, ter filhos e se tornar uma perfeita esposa e mãe de família!

Emilly passou dos 12 aos 26, procurando o grande amor da sua vida, alguém perfeito que realizasse todos os seus sonhos e fantasias. Emilly revirou o mundo em busca de alguém que se encaixasse no seu universo perfeito, e sem perceber, Emilly criou em sua mente algo que não existia, alguém que jamais viria.

Trilha Sugerida para leitura – (Natalie Imbruglia – Torn)

A cada nova relação uma nova decepção, Emilly não compreendia porque as suas escolhas eram tão falhas, e, aos poucos congelou e trancou o seu coração…

Na medida em que seu sonho não se realizava, ela perdia a sua paixão pela vida, o seu desejo pelo novo, e o pior, Emilly aos poucos perdia a sua fé no amor!

E assim como uma rosa que perde seu brilho quando não regada, Emilly sucumbia as dores das decepções e a pressão da fria e dura solidão.

Emilly demorou anos para enxergar que, o que ela tanto procurava, não era exatamente o que ela precisava, ou pelo menos o que definiram que ela precisava. Emilly passou a observar que as pessoas que mais criticavam as suas relações, também não tinham relacionamentos perfeitos. Que as pessoas que julgavam suas fraquezas, eram tão frágeis quanto…

A partir daí, Emilly sentiu a necessidade de mudar, uma vontade incontrolável de ser diferente de tudo aquilo que ela havia moldado como plano perfeito.

Emilly finalmente parou, pensou e compreendeu que ás vezes a vida não queria que ela simplesmente procurasse alguém, mas sim que ela se permitisse a alguém, afinal de contas, permitir-se é o primeiro passo para conquistar. Aos poucos Emilly descobriu que imperfeições são inevitáveis, e que amor, não é somente apaixonar-se pelas qualidades, mas também perdoar os defeitos, compreender os medos e muitos outros detalhes que estavam além do seu campo de visão.

Percebeu, que é preciso mudar quando necessário. E, que para isso, não era preciso deixar de ser fiel a sua essência!

Enfim, Emilly permitiu-se! E o fato de permitir-se, não impediu Emilly de encontrar alguém que aceitasse as suas mudanças, que gostasse do seu novo corte de cabelo, que a apoiasse nas suas decisões desde as mais simples até as mais complexas, que entendesse que o tempo que ela demora para se arrumar, não é frescura, mas sim uma tentativa de dar o seu melhor, da forma como sempre sonhou, ou seja, Emilly simplesmente precisou compreender-se, antes de ser compreendida.

 Moral da história, ás vezes exigimos tanto da vida, que nos esquecemos que…

Também é nossa responsabilidade proporcionar possibilidades para que as coisas aconteçam!

Deixe uma resposta