Éramos menos frescos, ou bem mais resistentes?

Será que no passado, além das coisas serem mais simples nós também éramos bem menos frescos?

Para tudo tinha uma receita caseira ou um santo remédio multiuso!

Deu azia, má digestão? Dá-lhe chá de boldo! Tá com virose? (que na época era conhecida como “diarreia” ou “caganeira”). Tome Maizena com limão! E sempre tinha aquela tia que dizia:

– Dá Coca-Cola pro menino, que é para prender o intestino!

– Tá ressecado? Dá mamão que solta!

Stress não existia! Quem tivesse alterado tomava Maracugina, e no final todo mundo ficava calminho, calminho!

Tudo tinha uma solução rápida, nem sempre eficaz, mas tudo bem, a gente sobrevivia!

Teve uma vez que eu pisei 2 vezes no mesmo prego enferrujado e nem tétano peguei! Na primeira pisada o prego me passou e na segunda eu devolvi o tétano pra ele, bem ao estilo comigo não morreu, sabe?

Tudo tinha uma solução pré-pronta! É por isso que muita gente morria de tuberculose. Deu tosse? Toma uma colherada de Melagrião! O sujeito estava tossindo até as tripas e insistiam no xarope!

E sempre tinha aquele “super-remédio”!

– O Garoto não come direito dona Maria? Só tem uma solução, uma colher de sopa de Biotonico Fontoura, sempre meia hora antes das refeições, o garoto vai comer feito leão e vai ficar forte como um touro!

Merthiolate, por exemplo, servia pra tudo! Corte, arranhão, ralada, tropicão e perda da tampa do dedão quando que por um erro de calculo você errava a bola e chutava o chão! Eu usava tanto Merthiolate, que eu acho que meus pais compravam junto com as despesas do mês! Tipo, 10k Arroz, 5k feijão, 10k açúcar, 1 Vidro de Merthiolate, 3lt de óleo e mais um vidro de Merthiolate pra garantir o mês!

Minancora era quase um Deus!  Tá com espinha? Passa Minancora! Pegou micose? Passa Minancora! Picada de mosquito, urticárias? Minancora! Faltou desodorante? Que tal Minancora! Tá com fome? Minancora!… Minancora era tão potente que se fosse inventada hoje, provavelmente teria a cura da AIDS e do Ebola na sua fórmula também! (rsrs…)

Hoje somos todos bundões, frescos e vulneráveis! Não sei se éramos mais resistentes, mas sem dúvidas éramos bem mais valentes!

.

Já pensou em ter o seu próprio negócio através de um Plano de Micro Franquia On Line com preço acessível e lucros interessantes? Clique aqui e veja como!

.

19 comentários em “Éramos menos frescos, ou bem mais resistentes?

  1. Bom post ! Era assim mesmo lá pelos idos dos 70. Hoje a molecada é toda fresca e não saem detrás de video game-celular, A gente comia de tudo, hoje tudo faz mal…

  2. Muito bom, gostei mesmo e me fez lembrar de muitas coisas da infância! Eu mesmo não alivio pra meu filho de 6 anos e tem pessoas que as vezes falam: “Haaaaa faz isso não com o moleque” ele arrota comigo, vê TV até tarde, vê desenho de porrada….. bons tempos que não voltam mais.

  3. Bem…Já nadei em ribeirão sujo (Uma vez quase morri afogado na correnteza após uma chuva), já ralei muito o joelho, já fui mordido por cachorro, já finquei prego no pé, já finquei uma pequena estaca de madeira no olho (Por milagre não fiquei cego dele), já subi em bananeira, já comi e ainda como muita fruta direto do pé, sem lavar nem nada, Já tive que correr de jararaca (A cobra mesmo), Já apanhei de cinta…Enfim, tive uma infância feliz, cheguei aos 49 anos, e deu pra perceber que nem tudo daquela época mata!

  4. O problema maior é que tomávamos remédio sem indicação médica, antibióticos, por exemplo, eram comprados sem receita.. o que fez com que os vírus ficassem mais resistentes e hoje a criançada vive doente por causa deles… É o que acho..

  5. Sem dúvida, eramos mais resistentes. Digo isto por experiência própria e pela força e saúde de meus falecidos pais. A frescura, sim existe, mais não é o que predomina.
    Os “tempos” eram outros: menos poluição, menos população, menos carros, menos ansiedade, menos estresses, menos competitividade entre as pessoas e por aí vai. Tudo isto contribuiu para o nosso enfraquecimento físico e quiça moral.

  6. Pisei em prego mais de 8 vezes, o pai me falou que quando acontecesse isso eu deveria tirar o chinhelo e bater em cima do furo do prego que era pra sair o sangue com o “veneno” e eu fiz, hj ainda tô aqui, quando dava dor de estômago tinha gente que tomava “chá de cinzas”, era tanta coisa mas estamos aqui é o que vale!
    Parabéns pelo post!

  7. depois vem essa mlkda de merda .cheios de….”não me reles e não me toques” pagar uma de fodões. para nossa geração…como ele não sabem o que é uma ardência de Merthiolate num joelho ralado..mando logo tomarem no olho da peida…e se ralarem longe de mim…
    os viadinhos nem imaginam os dribles que dávamos com bolas de meia ..calçados com sandálias havaianas ou de pé no chão…

Deixe uma resposta